05 meses sem ela. 153 dias.
05 meses da impunidade avassaladora
que deseja calar a voz de todxs que lutam,
acreditam e amam.
não esqueceremos.
não nos calaremos.
JAMAIS.

eu sofri muito bullying na escola.
xs coleguinhas se juntavam, me agarravam e me jogavam na lata de lixo.
também tinha fama de ‘sapatão’ sem nunca ter beijado na boca na vida.
eu defendia um menino da minha sala que era um gênio – tirava
10 em todas as matérias e tinha um dos corações mais puros que já vi.
ele tinha algumas deficiências físicas e, às vezes, assoava o nariz na camiseta.
muitas vezes, por defendê-lo, tomava porrada dos meninos que o desprezavam.
no colegial, tinha uma garota da minha sala que todo dia escrevia
na minha carteira “hoje você vai morrer”.
passei anos fugindo dela, com medo.
no último dia de aula, ela apareceu pra dizer que >> me admirava (!!)
sem contar o time de futebol masculino que me dava
umas bicas zoadas nas costas só para que eu, a única menina,
saísse do jogo deles.
é gente.
o ser humano é complexo.
muy complexo.
e desde pequenininha eu já entendia isso.
quando a gente se deixa levar pelos grupos,
faz coisas que nem deseja.
eu vi muita gente praticar bullying sem querer fazer aquilo.
vi também os perversos, que faziam porque adoravam.
tem de tudo.
como na vida.
cansada daquilo, inventei aos 13 anos um grupo de teatro.
na escola em que estudei, “arte” significava colar macarrão
na folha sulfite.
por isso, teatro foi mesmo uma revolução.
a peça que a gente fez deu tão certo que, no ano seguinte,
a direção da escola derrubou a feira de ciências para
instituir um festival de teatro.
o que se viu foram 15 grupos independentes fazendo
teatro naquele ano.
foi incrível e uma prova cabal de que a pequena semente
da luz brota sempre.
hoje, adulta, gosto de pensar que aquele bullying todo
era um jeito das crianças te machucarem porque elas
desejam apagar a sua luz ou fazer parte dela!
eu olho para trás e agradeço pois entendo
que isso me fortaleceu.
na época, sofri bagaray.
mas entendi muito da vida adulta ali.
e continuo acreditando que o amor sempre vence.
nunca devolvi nenhuma porrada ou xingamento.
eu só levantei a cabeça e fiz a minha (p)arte, com amor.
e continuo acreditando nisso.
pra mudar o mundo, seja apenas você.
amorosamente.

porto alegre é hojêêê <3
show voz e violões no ocidente
esperamos vocês com amô POA
+ + +
fotos_ hugo alexandre